VAMPIRIZAÇÃO ENERGÉTICA (parte 2)

Vimos na primeira parte o que é e como evitar a vampirização energética. Só que, na maioria das vezes, a situação é criada ou favorecida por nós mesmos, através de afinidades energéticas com nossos algozes (algo como aquele ditado “assombração sabe para quem aparece”). Mas aí você pergunta: e quem danado gostaria de ser sugado energeticamente?

Lázaro Trindade,  responde:

Talvez aquele que goste de reclamar de tudo, ou se fazer de vítima, ou aquela pessoa que no fundo adora ficar doente pra não ir a escola quando é criança, para não trabalhar quando adulta, para ter desculpas por seus constantes erros, para ter inclusão social, assunto e atençao extra quando está mais velha. Lá é como aqui!!! O astral é conseqüência (e causa, ao mesmo tempo).

Há masoquista de todo jeito. E a maioria nem é TÃO inconsciente assim. Uma pessoa que vive dizendo que “tudo acontece com ela” está alimentando esse padrão. É a “emoção” que ela precisa para viver.

O jogo Kick-Me/ Me-Chute /Coitadinho de Mim da Análise Transacional não é jogado só no plano físico, ao contrário. Ser vítima é o alimento energético de quem se coloca assim.

Repare também em pessoas que caem no mesmo padrão de relacionamento, sem SEQUER tentar a espiral superior do que teve anteriormente. Aquelas que dizem que “adoram um cafa”, ou os caras que por um lado querem alguém direita, linda, querida, certinha, companheira – mas por outro vivem indo atrás das vagabas… Ora, a vida vem e bate, a sintonia espiritual vem JUNTO e é parte inseparável do processo… E, de ponta a ponta, a pessoa entrou nessa por sua estranha forma de “prazer”.

Vício é algo que você não consegue ficar sem fazer. No filme Quem somos nós (What the Bleep…) há explicações simples. Os receptores de suas células PRECISAM daquela emoção. Então, seja cocaina, seja um drama, seja compulsão sexual, seja um encosto como forma de crescer, a pessoa – feito mulher de malandro, em alguns casos – se vicia. Precisa de mais e mais daquela conexão. E, de todos os modos (físico, psíquico e espiritual) VAI procurar.

E quem CULTUA padrões vibratórios nefastos, em troca de poder, só pra se lascar a seguir e usar o tal poder para se livrar das encrencas que o tal poder lhe trouxe? Não é um ciclo, onde por PRAZER as más companhias espirituais vêm?

E quem adora uma confusão? E quem acha que viver em paz é algo muito chocho e parado? Aquelas pessoas que PERDEM o melhor namorado(a) que tiveram na vida? Que não sossegam em empregos pacíficos? Que vivem procurando uma encrenquinha, para colorir a vida?

E quem vai atrás de despachos, contratando entidades menos luminosas pra resolver seus problemas – entidades estas que amanhã, sem “comida”, vão lhe arrumar novos problemas para que sejam procuradas novamente – não estão VICIADAS nesse ciclo de ser vítima de um lado, e apelar para a ajuda sobrenatural do outro?

E quem vive tomando substâncias, “naturais” e “legais” ou não, como forma de expansão da consciência ARTIFICIAL, com a desculpa de seu ATALHO consciencial ser “xamânico”? Não estão viciadas em certas terminações celulares que provocam estados alterados, para levá-los a qualquer preço para o lado de lá? E se vão à força, não é claro que vão CAIR na mesma proporção? Mas não é verdade que elas sequer lembram de suas depressões, vômitos e assédios, entretidas que estão no PRAZER de subirem na marra os astrais da ilusão?

Não seriam essas pessoas VICIADAS no assédio que vão procurar?
A mente é estranha…existem pessoas cujo script é serem exploradas pelo outro, às vezes tentando eternizar repetidamente uma situação de mártir aprendida na infância (que na época rendeu carinhos ou atenção), ou então tentando confirmar para si mesmas que, igualzinho ao que a mamãe ensinou, “os homens/mulheres/patrões/amigos etc. não prestam, só querem nos sugar”…. E todo mundo sabe que confirmar o script, num destes jogos psicológicos, é mais do que gratificante para o envolvido – na verdade, é seu objetivo final.

E os motivos podem ser mais banais, também. Algumas vezes, deixar-se sugar é uma forma de se fazer necessário. Outras vezes, é simples falta de alternativa. Melhor ter alguém por ali, sugando, do que nada.

Na verdade,algumas condições básicas são necessárias para que uma pessoa fique vulnerável a ladrões de energia, sendo a principal delas a disposição para dar moleza. E “gostar” e “prazer” são palavras muito relativas, como já dizia Von Sacher Masoch. Vá lá a gente saber o que realmente dá prazer a cada alma humana, por detrás da fachada convencional da persona…

Por isso, que nem na piada dos ursos (“Você não vem aqui só pra caçar, né?“) provavelmente quem se deixa vampirizar pode até dizer que não, mas lá no fundo bem que gosta da coisa.
 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s